Getting your students to speak in the language class


Despite  Steven Krashen’s famous methodology of language acquisition, in which he claims students must go through a silent period before they can speak, we know how anxious our students are to start producing the target language from day 1.  This silent period is the time learners need to be exposed to enough comprehensible input so they can absorb the language and be able to speak it. It emulates what happens when kids acquire their first language. Having said that, it’s a fact that motivation also plays a key part in language learning, and setting up speaking activities from the very beginning of the language course will not, in my opinion, have any negative effect on the students’ development: they will not be able to do much, though, but that is OK. Motivation will work wonders. The elementary level, which is usually known as A2 in the Common European Framework benchmark, would be the ideal moment to start with speaking activities, but don’t worry too much if you have to do it earlier to please your students.

Teachers usually complain about the same problems when they set up speaking activities: students might not know what to say, they are shy to speak in public, they don’t know enough about the topic, they are not that interested in the topic.

Students don't know what to say.

Your students don’t know what to say.

So, as a teacher and teacher trainer, with many years of experience, and with the help of a number of methodology books I have read throughout my career, I would humbly suggest a few tips to get your speaking activities going smoothly in the language class. See the main points below:

1. Decide whether the activity will be task or topic-based: a task-based activity typically  involves the use of language as a means to an end. The students, for example, are given a problem (e.g. give each pair of students a list of 10 objects and ask them to discuss and negotiate the following problem: you are stranded on a desert island, if you could pick 5 of these 10 objects to have with you on the island, which ones would you both pick?). To pick the objects, they will have to justify their choices.  On the other hand, a topic-based activity requires the students to discuss or talk about a specific subject (e.g. what’s your country’s situation concerning racism?) The more they are able to personalize the topic, contributing their own opinions and experiences, the more they will have to say about it. If you wish to read more on this, please refer to my previous post “Topic-Based versus Task-Based Speaking Activities”: http://wp.me/p4gEKJ-1nJ

2. Give them context (input):  Before setting up an activity, expose the students to some linguistic or visual context, so they can rely on some form of scaffold to help them structure their output. The stimulus can be established through a text, a picture, a video clip or a listening passage, for example. But it’s important that the teacher introduce the topic, or brainstorm some vocabulary and ideas about it before having the students talk about it.

3. Brainstorm: depending on the input the teacher chooses to use in the step above, the brainstorm will be more or less controlled. If the students have been given a written text, for example, the teacher should work on it and exploit some ideas and related vocabulary and grammar. If the teacher starts by showing a painting by a famous artist,  the brainstorming will have to be longer and less controlled. The students will probably have to learn some new vocabulary as well, get to know something about the artist and his times, or even his style and technique. Always elicit info from the students before spoon-feeding them with ready-made answers: you might be surprised about the vocabulary they already have or their knowledge about the topic.

4. Get them to work in pairs and/or small groups as often as possible: do not put the students in the awkward position of speaking in front of the whole class right at the beginning of the exercise. Give them time to prepare their answers. The best way to do that is, of course, to put them in pairs or little groups, so they can participate more and not feel intimidated by a big audience. Many times they won’t even have to speak to the whole class at the end, or you could ask only for volunteers to share their work. During the activity, however, make sure you go around not only monitoring the different groups but also lending them a hand.

5. Focus on fluency: the aim of the speaking activities we are discussing in this post is not to drill grammar points or practice vocabulary,  or even pronunciation, in a controlled way. As the students produce their utterances, make a mental note or write down discreetly some of the most common mistakes made, especially the ones that involve grammar or vocabulary already taught in previous lessons. Do not interrupt the students for correction, unless you don’t understand what is being said. Decide on what you are going to focus on for correction in each activity, then, at the end, or in a future lesson, list the mistakes on a handout and pass them to the learners, so they can correct the mistakes in pairs, without  necessarily naming the perpetrators.

6. Personalize the activity:  people like to talk about their own experiences. Design questions that allow them to talk about their own tastes, aspirations, experiences and life in general.

7. Make the questions as opened-ended as possible: to make this personalization possible, try to design questions that allow for open-ended answers, do not look for right/wrong answers, but for opinions and suggestions.

8. Make the activity as relevant as possible:  choose topics or direct the discussion towards a path that is relevant to the group of students you have. The same speaking activity can be slightly changed to reflect the reality and interests of a different group of students. The closer they feel to the topic being discussed or the task being proposed the more productive the result will be.

Some speaking activities will go better than others, as you know. Don’t give up on a well-prepared exercise if it does not work well with a particular group of students. Try it a number of times with other students: it might work better. The important thing to remember is the more the students are exposed to linguistic input, by either reading or listening, the more fluent and accurate their delivery will be eventually. So make sure you focus on receptive skills especially at the earlier levels of the course your are teaching before worrying too much about the success of the speaking activities.

If you need help with materials, we have an excellent series of eBooks with ready-made vocabulary, speaking and writing activities to make your life easier. It’s called TEACHING ENGLISH WITH ART, with 8 books so far. It features f works by famous artists, such as Matisse, Picasso, Caravaggio, Monet, Norman Rockwell, van Gogh and Winslow Homer which will function as a springboard  to contextualize topic and task-based activities, as well a process writing practice. For further info, please click here http://wp.me/p4gEKJ-1lS

Au revoir

Jorge Sette

Alongando os músculos da língua


Vivemos num mundo multicultural, multilíngue, e de economia globalizada. A comunicação se dá basicamente através da internet, sendo o inglês a língua com maior número de usuários online, seguida pelo chinês, espanhol, japonês e português (acessem esse link para maiores detalhes: http://www.internetworldstats.com/ ).

No WordPress, a plataforma na qual você está lendo esse blog, 66,7% do conteúdo “postado” é em inglês. Não falar pelo menos duas das línguas mais importantes na internet é um atestado de misantropia, ou mais precisamente, um suicídio social. Abaixo, cobrirei os pontos mais importantes que influenciam a boa aprendizagem de uma língua estrangeira.

Motivação

Há duas palavras-chaves para se adquirir uma língua estrangeira, motivação e imersão. Vamos discuti-las em parágrafos separarados. Os especialistas consideram dois tipos básicos de motivação: a extrínsica e a intrínseca. A motivação extrínsica é aquela que depende de fatores externos e práticos. Nos dedicamos a aprender uma língua, por exemplo, para conseguir um emprego, ou uma promoção, ou um melhor salário. Ou porque a bolsa da pós-graduação exige que se fale um idioma estrangeiro. A motivação intrínseca, por outro lado, diz respeito a razões e motivos mais emotivos ou românticos. Decidimos aprender a língua, por exemplo, porque nos identificamos com a cultura de um certo povo, e para participar mais completamente dessa experiência necessitamos entender e nos fazer entender pelos falantes nativos. Por cultura, me refiro a todos os hábitos e costumes de um povo, sua arte, literatura, cinema, teatro, música, etc. É sabido que a motivação intrínseca é mais eficaz que a extrínseca, por envolver fatores emocionais e afetivos, tão fundamentais em qualquer processo de aprendizagem.

Image-1

O essencial componente lúdico da aprendizagem: “Children teaching a cat to dance”,  1666, Jan Steen.

Imersão

Quanto mais nos expomos ao insumo (input) linguístico, mais rapida e eficientemente se aprende uma língua estrangeira. Portanto a sugestão é aumentar ao máximo o contato que se tem com a língua: estar sempre procurando acessar falantes nativos (através das redes sociais, por exemplo); ler na língua-alvo (recomendo que a leitura passe por uma processo de avanço gradual, usando-se  a princípio os chamados “readers”, livrinhos simplificados feitos especialmente para o ensino da língua, disponíveis em varias editoras, antes de passar à literatura original); filmes, videos, jogos eletrônicos, clips do YouTube, e o que mais lhe dê acesso ao idioma. Essa exposição deve ser diária e ininterrupta. Duas horas no mínimo.  Acho que a aprendizagem de um idioma através de letras de música um pouco superestimado (mas isso depende muito do estilo e gosto próprios). Minha experiência é que tanto as letras  de música popular como a poesia mais tradicional são mais adequadas a estágios mais avançados do desenvolvimento linguístico, uma vez que na primeira há muitas gírias e expressões locais, e na outra, palavras e estruturas gramaticais incomuns, pois faz parte da natureza dessa arte experimentar com a língua. Isso pode tornar o texto indecifrável para um falante não nativo. Mas o desafio também pode ser motivador.

Dois pontos importantes para finalizarmos essa seção: escolha conteúdos que lhe deem prazer e que não estejam muito acima do seu nível atual na língua (há maneiras, por exemplo, de se controlar isso, como o uso de legendas em inglês nos filmes em DVD, ou vídeos mais curtos, ou que tratem de temas que você já conhece na primeira língua). Há estudos  científicos que corroboram esses conselhos: o primeiro é a teoria do “comprehensible input”, do linguista Krashen, que alerta que a língua que se ouve ou lê deve ser inteligível para o aluno, oferecendo um contexto que facilite a identificação das palavras ou estruturas,  ainda que desconhecidas (portanto não tente ler Shakespeare na aula número 1). O outro é uma teoria que se chama CLIL (content and language integrated learning), que afirma que a melhor maneira de aprender uma língua é achá-la dentro de um contexto natural  e de interesse para o aluno (artigo de revista, video de YouTube, livro etc), de modo que a a mensagem seja mais importante que a FORMA em que a língua é apresentada. A língua nesse caso serve de veículo, de meio para se atingir um fim específico, que é o entretenimento ou a informação.

Devemos frequentar a escola tradicional?

Aqui acho bastante cabível fazer uma analogia entre a aprendizagem de língua e seguir um programa de preparação física (fitness, como se costuma dizer hoje, mesmo em português). Há diversas opções que se enquadram ou não ao estido de vida de cada um: você pode frequentar uma academia, em um programa intensivo ou mais ameno. Contratar um personal trainer, se necessita de uma atenção mais especial, e  caso tenha somente alguns horários disponíveis. Ou, se tem muita autodisciplina, simplesmente comprar o livro Body for Life de Bill Phillips (editora Harper Collins, 1999), e segui-lo sozinho. Pode-se também combinar diferentes opções. Eu já fiz todas essas, em diferentes épocas de minha vida. Agora estou tentando uma experiência nova: passar o dia no sofá, lendo, estudando e escrevendo esse blog para averiguar se isso me dará os músculos de que necessito para arrasar de sunga em Ipanema. Não, nunca tentei os vídeos aeróbicos de Jane Fonda: ainda estava no berço.

Body-for-Life

Body For Life, Bill Phillips.

Bem, com a aprendizagem de língua se dá o mesmo: escolas tradicionais com vários alunos na sala e um professor dinâmico pode ser muito divertido e relaxante depois de uma dia puxado de trabalho. Professor particular é caro, mas dedicará toda a atenção a suas necessidades individuais. Ele também inevitavelmente se tornará seu psicoterapeuta, portanto escolha bem. Cursos online estão em alta, oferecendo todas as vantagens da automatização do ensino, fazendo melhor o que máquinas fazem melhor, e ainda adicionando acesso a sessões tutoriais agendadas com professores nativos e  acesso a comunidades virtuais, para o intercâmbio de ideias com outros alunos estrangeiros. Essas são só algumas das opções, e podem ser combinadas de forma bem criativa e eficaz.

Para o resto da vida

274813_Papel-de-Parede-Os-Simpsons-The-Rolling-Stones_1400x1050

Aprender uma língua estrangeira é como assistir a OS SIMPSONS: sempre prazeroso e sem data marcada para acabar.

Outro ponto que devemos ressaltar é que aprendizagem de uma língua estrangeira é um processo contínuo, sem fim definido, assim como no caso da primeira língua. Há níveis de progresso claramente balizados ao longo do caminho, que lhe permitirão decidir se já chegou onde quer e onde precisa (a medição se dá através dos chamados exames internacionais, que ratificam seu nível de inglês e adequação para o bom desempenho de diversas funções e atividades). Procure adicionar DIVERSÃO ao longo do processo, para motivá-lo,  já que o caminho poderá ser longo.  É essencial que a jornada proporcione prazer. Pense em aprendizagem de língua mais como assistir a OS SIMPSONS que a BREAKING BAD. Ambos são maravilhosos, mas a trajetória de WALTER WHITE inevitavelmete terá um fim (eu já sei qual é, você sabe? Ou ainda está esperando pelo NETFLIX?). Já em OS SIMPSONS não há perigo de Maggy largar a chupeta e casar-se, de vermos a formatura de Lisa, ou Bart cumprindo pena na cadeia por um delito cometido depois da maioridade.  It goes on forever…

Por hoje é só.

Au revoir

Jorge Sette.