Machado de Assis – o Bruxo do Cosme Velho – em 10 pensamentos expressos nas suas obras.

Machado de Assis é considerado por muitos o maior escritor brasileiro de todos os tempos. Conhecido como o Bruxo do Cosme Velho (o tradicional bairro carioca onde morava), Machado foi um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras (1987).

 

486px-Machado_de_Assis_big_photo

Machado de Assis

Autor de poemas, peças, romances e inúmeros contos, suas obras mais famosas incorporaram as características do movimento literário realista no final do século XIX e início do século XX. Destacam-se, sobretudo, os romances Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba, Dom Casmurro, Esaú e Jacó, e Memorial de Aires. Machado morreu aos 69 anos, deixando um legado literário inestimável.

 

IMG_1255

Pão de Açúcar: o maior cartão-postal do Rio de Janeiro.

Irônico, perceptivo e sagaz, Machado revelou-se um profundo conhecedor da sociedade brasileira (especialmente a carioca) da sua época, e da alma humana de forma geral. Eis alguns dos seus pensamentos mais populares, expressos nos seus livros:

Tudo acaba, leitor; é um velho truísmo, a que se pode acrescentar que nem tudo o que dura dura muito tempo. Esta segunda parte não acha crentes fáceis; ao contrário, a ideia de que um castelo de vento dura mais que o mesmo vento de que é feito, dificilmente se despegará da cabeça, e é bom que seja assim, para que se não perca o costume daquelas construções quase eternas. (Dom Casmurro)

A imaginação foi a companheira de toda a minha existência, viva, rápida, inquieta, alguma vez tímida e amiga de empacar, as mais delas capaz de engolir campanhas e campanhas, correndo. (Dom Casmurro)

O destino não é só dramaturgo, é também o seu próprio contra-regra, isto é, designa a entrada dos personagens em cena, dá-lhes as cartas e outros objetos, e executa dentro os sinais correspondentes ao diálogo, uma trovoada, um carro, um tiro. (Dom Casmurro)

Assim, apanhados pela mãe, éramos dois e contrários, ela encobrindo com a palavra o que eu publicava pelo silêncio. (Dom Casmurro)

Prazos largos são fáceis de subscrever; a imaginação os faz infinitos. (Dom Casmurro)

Eu não sou propriamente um autor defunto, mas um defunto autor. (Memórias Póstumas de Brás Cubas)

Gosto dos epitáfios; eles são, entre a gente civilizada, uma expressão daquele pio e secreto egoísmo que induz o homem a arrancar à morte um farrapo ao menos da sombra que passou. (Memórias Póstumas de Brás Cubas)

Matamos o tempo, o tempo nos enterra. (Memórias Póstumas de Brás Cubas)

O maior pecado, depois do pecado, é a publicação do pecado. (Quincas Borba)

Deus, para a felicidade do homem, inventou a fé e o amor. O Diabo, invejoso, fez o homem confundir fé com religião e amor com casamento. (Esaú e Jacó)

Au revoir

Jorge Sette

 

 

 

 

 

 

 

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s